Cassilândia: História de Antônio Paulino e a fusão com a família Castro

Antônio Paulino era espanhol da Catalunha, mais precisamente de Barcelona, e seu nome de batismo era Pablo Altafay Ereza

Um dos patriarcas dessa fusão de famílias foi o senhor Antônio Paulino, nascido na cidade espanhola de Barcelona, no dia 22 de abril de 1881, com o nome de Pablo Altafay Ereza, que aos nove anos de idade veio com a família para o Brasil.

Vamos saber um pouco mais sobre a fascinante vida de Antônio Paulino a seguir.

O que se sabe é que ele chegou ao Rio de Janeiro anos depois, mais precisamente em 1890, depois mudou-se para Franca, no Estado de São Paulo, onde iniciou trabalho numa indústria de calçados. O Tio Quinca, umas das mais importantes fontes de informação para este livro, lembra que o pai foi, além de tudo, um grande sapateiro, um excelente farmacêutico e ainda alfaiate.

Ele saiu de Franca e foi morar em Santa Rita dos Passos, em Minas Gerais, onde conheceu Rita Augusta de Araújo, que se tornaria sua esposa no ano de 1899. Teve 18 filhos: Joaquim Eurípedes, Emília, Armanda, Veridiano, Paulo, Donato e Donato (Os Cocãos), Iracema, Aracy, Dolores, Esmeralda, Otávia, Otávio, Esmengalda, Isa, Maria e Cotinha.

Com o passar dos anos a família mudou-se para a Fazenda Coqueiro, no Estado de Goiás, sendo que parte dos filhos nasceu naqueles dois estados.

Alguns deles faleceram devido à difteria e porque não havia soros ou vacinas capazes de combater essa terrível doença.

De acordo com informação, seu Antônio Paulino chegou a esta região e requereu junto ao governo, através de carta adjudicatória, uma gleba de terras de cerca de 2, 5 mil hectares, onde passou a trabalhar juntamente com sua prole, tornando-se um próspero produtor rural.

Há fonte que citou que seu Antônio Paulino se tornou muito conhecido pelos moradores por causa de suas rezas e benzeções que curavam quebrantos, encostos, mal-olhados e males espirituais.

E a verdade é que ele fazia lá as suas orações e todos acreditavam nelas. E não era só “médico”, benzedor, curador, fazendeiro; era além de tudo, um bom alfaiate e, por extensão, sapateiro dos bons. Por tudo isso, tornou-se também uma espécie de conselheiro da comunidade, alguém que tinha a palavra certa na hora da dúvida, e, portanto, era sempre muito procurado por toda a gente.

Dona Isabel, esposa do seu Tiuca, contou que certa vez ficou doente e teve que ser operada numa cidade do Estado de São Paulo. O velho caridoso se prontificou a leva-la até lá e não cobrou nada. Assim, lembrou ela, fazia com todos, não negando a ninguém os seus préstimos.

A junção com a família Castro começou já em 1931 com o casamento de sua filha Armanda Paulino que contraiu núpcias com Manoel de Castro, o “Velho Moleque” quando este tinha seus 29 anos. Daí nasceram os filhos Íbio, Eduardo, Ilda, Isaura, Antônio, Nilo e Dairson.

A segunda filha a se casar foi Iracema, que nasceu no dia 5 de julho de 1921, com José da Silva Castro, que havia nascido em 12 de outubro de 1912, na mesma Fazenda Ariranha, de propriedade do pai.

No dia 3 de abril de 1944, na cidade de Paranaíba, casava-se Aracy Paulino, nascida em 3 de abril de 1925, com João da Silva Castro, que nasceu no dia 4 de junho de 1919; da união nasceram os filhos Rita, casada com Valdir Alves Gonçalves, o “Liquinho Cadete”; Laerte, Isaura e Nilva.

E finalmente, no dia 11 de janeiro de 1947, casava-se a última Paulino com e um Castro. Era Dolores Paulino Borges, que nasceu no dia 7 de janeiro de 1931, na Fazenda Viradouro, com Divino da Silva Castro, nascido em 23 de março de 1923, com quem teve os filhos Celes, Eltes, Fatima, Élio de Castro Paulino, Sidnei e Arceli.

O outro arrimo de família foi o saudoso Eduardo de Castro, próspero agropecuarista e homem da lida diária, que casou-se com Isaura da Silva Lata e teve os filhos Manoel, Antônio, José, Sebastião, Jerônimo, Divino, João, Idalina, Josefa, Ana, Tereza, Helena e Maria da Silva Castro.

Antônio da Silva Castro, que nasceu em 20 de agosto de 1917, casou com Maria Perpétua da Silva, no dia 15 de fevereiro de 1947 e teve os seguintes filhos: Odeces, Odeíles, Nilda, Dilza, Odenil, Donizete e Aldna.

Pode-se dizer, portanto, que duas famílias viraram uma só, a Castro-Paulino. Com o falecimento de seus patriarcas Antônio Paulino e Eduardo de Castro, os herdeiros seguiram na missão de cuidar da tradição das duas famílias cassilandenses.

Os registros dizem que seu Antônio Paulino faleceu no dia 20 de setembro de 1955, vítima de um assassinato covarde, ocorrido ao descer do ônibus em Paranaíba, na época em que a lei do velho Mato Grosso era o 44, e até hoje não se sabe ao certo a motivação do crime.

As famílias Castro e Paulino sempre tiveram uma grande importância na formação sócio-cultural e econômica de Cassilândia, oferecendo à comunidade muitos filhos que se tornaram profissionais de renome nas áreas da saúde, educação e cultura. Extraído do livro A História de Cassilândia, de Corino de Alvarenga / Foto de Antônio Paulino reproduzida do livro História da Formação de Cassilândia, de Élio de Castro

Compartilhe:
Posted in Noticias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *