Bloqueio de sem-terra atinge três rodovias em MS

Movimento chegou a interditar trecho da BR-163 mas bloqueio já foi desfeito (Henrique Kawaminami)

Movimento chegou a interditar trecho da BR-163 mas bloqueio já foi desfeito (Henrique Kawaminami)

Sem-terra bloqueiam três rodovias nesta manhã em Mato Grosso do Sul.  Além da BR-163, em Campo Grande, as manifestações ocorreram, na BR-267, em Bataguaçu, e ainda na MS-247, em Guia Lopes da Laguna. Segundo os líderes do grupo que estavam no bloqueio  na 163, em Campo Grande, são cerca de 1,5 mil manifestantes ao todo.

A PRF (Polícia Rodoviária Federal) informou que recebeu informações de que a BR-267 estaria bloqueada e está em diligência até o local.

Em Campo Grande, um grupo de cerca de 70 sem-terra, identificados como sendo do Movimento Popular Lutar bloqueou, parcialmente, o km 466 da BR-163, próximo à rotatória que liga as saídas de São Paulo, Cuiabá e Sidrolândia, em Campo Grande. O bloqueio ocupou uma das pistas. Por volta das 8h44 o trecho foi liberado.

Um dos coordenadores do movimento, Jonas Carlos da Conceição, afirma que o grupo chegou ao local por volta das 6h e bloqueou toda a via “para chamar a atenção”. Ele ainda afirma que houve um desentendimento com um agente da PRF que teria “chutado os pneus”. A PRF não se manifestou sobre o relato ainda.

Conceição afirma que o objetivo não era interditar a rodovia, por isso liberaram uma das pistas. O movimento, explicou, quer chamar atenção da sociedade sobre a paralisação da falta de reforma agrária. Responsável pelo processo, o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) está sucateado e os processos de assentamento estão parados, alegam.

Jonas afirma que até o aluguel no Instituto, em Campo Grande, está atrasado. Além da reforma agrária, o coordenador também afirma reivindicar a diminuição do preço dos combustíveis. O coordenador comenta que os preços afetam a agricultura familiar a renda das famílias. Campo Grande News

Compartilhe:
Posted in Noticias and tagged .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *